Está no ar...
Interativa Sertaneja
Interativa Sertaneja
Com Caju Barbosa
De 16h00 às 19h00
A seguir...
Conexão Interativa
Conexão Interativa
Com INTERATIVA FM
De 20h00 às 22h00
E depois tem...
Love Night
Love Night
Com INTERATIVA FM
De 22h00 às 00h00

CLIPE > CULTURA

Postada em 20/11/2020 ás 06h05 - atualizada em 20/11/2020 ás 06h05
Dia da Consciência Negra: racismo e preconceito ainda persistem no Brasil
Duas pessoas foram vítimas de racismo por dia no estado do Rio em 2019; nas empresas, apenas 6,6% doso diretores são negros
Dia da Consciência Negra: racismo e preconceito ainda persistem no Brasil

Embora ainda enfrente resistência de alguns segmentos da sociedade, data que é símbolo da luta do movimento negro é hoje reconhecida por decreto federal e feriado em mais de mil municípios brasileiros. Um total estimado em 4,5 milhões de negros escravizados em 350 anos fez do Brasil o maior território escravagista do Ocidente. As cicatrizes desse passado jamais serão apagadas, mas graças a medidas afirmativas implementadas por lei e após muita pressão de movimentos populares, a história da cultura negra vem sendo aos poucos resgatada. Símbolo Nestedessa conquista é o Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, feriado em mais de mil municípios brasileiros. Porém, muito ainda precisa avançar e a comunidade negra ainda sofre com preconceito e racismo no Brasil.



No estado do Rio de Janeiro, em 2019, foram registradas 1.706 vítimas de crimes praticados contra a honra, como injúria por preconceito, injúria real e preconceito de raça e de cor. Destas, 844 sofreram discriminação por motivação racial, sendo que 766 destas vítimas eram negras, o que significa que duas pessoas sofreram racismo por dia. É o que aponta o Dossiê Crimes Raciais, lançado hoje (19) pelo Instituto de Segurança Pública (ISP).



Mais da metade das vítimas de racismo no ano passado eram mulheres (58,2%). Os homens representaram 39,7% do total. Ao analisar a idade, quase um terço tinha entre 40 e 59 anos, o que corresponde a 262 casos, 24,5% (207) tinham entre 30 e 39 anos e 23,2% (196), entre 18 e 29 anos.



Leia mais:





Segundo o estudo, 46,3% dos autores eram conhecidos das vítimas e 42,9% eram pessoas com as quais as vítimas não tinham qualquer relação. Quase metade dos autores desses delitos (45,8%) eram mulheres e 36,7% eram homens. Cerca de metade dos autores de discriminação racial (45,7%) eram pessoas brancas e 26,5%, negros. Para 27,6% não havia informação.



De acordo com o ISP, estas são as primeiras estatísticas oficiais sobre o tema usando como fonte de dados quase 3 mil registros de ocorrência feitos em 2018 e 2019 nas delegacias da Secretaria de Estado de Polícia Civil do Rio de Janeiro.



Os ambientes não residenciais foram locais com a maior incidência de ofensas (43,3%), seguido pela residência (27,1%) e pelo ambiente virtual (5,5%), ou seja, a internet.



Perfil das ofensas



Durante a análise dos dados, foram constatadas as ofensas verbais proferidas com mais frequência contra as vítimas de racismo no estado. Palavras como “macaca”, “macaco”, “negra”, “preto”, “preta” e “cabelo duro” foram as mais usadas pelos agressores. “O que se observa nas palavras em destaque é que os aspectos que constroem o fenótipo negro (cor da pele, formato do nariz, textura do cabelo), as religiões de matriz africana e a própria herança histórica da escravização foram os elementos utilizados para a depreciação das vítimas”, diz o ISP.



A capital fluminense concentrou o maior número de vítimas em 2019 (422), seguida pelo interior do estado (255), Baixada Fluminense (100) e Grande Niterói (67). Na capital, os bairros do Recreio, Barra da Tijuca e Taquara, com 36, 30 e 23 vítimas, respectivamente, foram os que tiveram a maior concentração de casos. Fora da capital, Teresópolis, Petrópolis e a região central de Niterói com, respectivamente, 22, 17 e 16 vítimas, registraram o maior número de vítimas no ano passado.



Segundo o ISP, este é o primeiro estudo produzido por um governo estadual no Brasil com o intuito de analisar e evidenciar os crimes de injúria e preconceito que tenham motivação racial. “O ISP se orgulha muito de lançar um estudo tão importante para ajudar a construir a sociedade que queremos. A elaboração desse Dossiê é importante não só para nortear os Poderes na criação de novas políticas para reduzir o número de casos de racismo, como também para aprimorar os instrumentos estatais que já estão funcionando”, afirmou, em nota, a diretora-presidente do ISP, Marcela Ortiz.



Apenas 6% dos diretores são negros



A participação de negros em cargos de diretoria e nos conselhos de administração é de apenas 6,6%, segundo o Índice de Igualdade Racial nas Empresas (IIRE). O índice avaliou as medidas em prol da igualdade racial em 23 empresas que firmaram um compromisso de se engajar no tema.

 



Dom Especial religião:









São companhias de diversos setores, como telefonia, hipermercados, fabricação de peças elétricas, consultoria, petrolífero, bebidas e bancário. O indicador é elaborado em parceria com a Faculdade Zumbi dos Palmares.



A presença de pessoas negras nessas empresas aumenta percentualmente em cargos de menor responsabilidade. O percentual sobe para 18,7% nas gerências e chega a 31,6% entre os trainees e aprendizes.



Engajamento



As empresas têm buscado formas de reduzir essa desigualdade. Entre as 23 participantes, 19 afirmaram ter comitês específicos para debater a diversidade racial no ambiente corporativo. Em 16 companhias são organizados periodicamente eventos para discutir o tema e nove possuem projetos de treinamento e formação permanentes a respeito dessa pauta.



A respeito das dificuldades para implementar ações de conscientização sobre a questão racial, as empresas afirmaram ter dificuldade em engajar os trabalhadores nas discussões. Porém, as experiências mostram que, quando as lideranças (diretorias) se envolvem pessoalmente nos processos, a adesão tende a ser maior.



Seleção e ascensão



A maior parte das empresas (15) disse ter processos de seleção flexíveis com o objetivo de aumentar a diversidade racial em seus quadros. No entanto, a maior parte das empresas ainda não contratou profissionais por iniciativas ou canais específicos que buscam facilitar a entrada de pessoas negras no mercado de trabalho. Em 40% dos casos, as companhias justificaram essa postura pela falta de qualificação dos candidatos.



Entre as 23 empresas participantes, seis disseram ter programas com metas voltados para garantir a ascensão de pessoas negras na hierarquia da companhia. Parte (40%) das empresas que não tem esse tipo planejamento estruturado afirmou que uma das principais dificuldades é justamente estabelecer os objetivos quantitativos e qualitativos desses processos.



Origem da data



Neste 20 de novembro, celebra-se do Dia da Consciência Negra. A data foi instituída oficialmente pela primeira vez em 1987, como lei estadual no estado do Rio Grande do Sul. Mas a ideia começou mesmo a se disseminar em todo o país a partir de 1995, com o tricentésimo aniversário da morte do líder quilombola Zumbi dos Palmares.



Na ocasião, Alagoas promulgou lei decretando feriado – o quilombo ficava na Serra da Barriga, então capitania de Pernambuco, região hoje pertencente ao estado alagoano. De lá para cá, a importância da data em homenagem ao dia da morte de Zumbi dos Palmares espalhou-se pelo país.



Símbolo da resistência dos escravos negros, Zumbi foi inscrito em 1997 no livro de aço do Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, em Brasília. A memória de 20 de novembro entrou para o calendário escolar em 2003. Em 2011, uma lei federal instituiu a data como Dia Nacional da Consciência Negra – os feriados são determinados por leis municipais ou estaduais.



Para a historiadora Wlamyra Albuquerque, professora da Universidade Federal da Bahia e autora do livro Um Jogo de Dissimulação: Abolição e Cidadania Negra no Brasil, esse movimento de valorização do legado negro na formação brasileira teve seu "ponto de partida" em 1988, centenário da Lei Áurea, que determinou a libertação dos escravos.


FONTE: DOM TOTAL
PUBLICADO POR: Anilson rocha (Jaru - RO)

COMENTÁRIOS

VEJA TAMBÉM

Patrocinadores

Programação   •    Locutores   •    Notícias   •    Mural de recados   •    Agenda de shows   •    Clipes   •    Contato

© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados